‘Porto Académico’ oferece recital de golos aos estudantes

FC Porto wins Académica 4-1 for the portuguese Cup league

Num jogo em que estava em causa a passagem às meias-finais da Taça da Liga, o Futebol Clube do Porto foi manifestamente superior ao adversário, a Académica, tal como treinador dos estudantes, Paulo Sérgio, resumiu conformado no final “Na perspetiva dos jovens que aqui foram utilizados, foi uma boa oportunidade para eles!”. Desde logo uma partida que fica para a história de Jackson Martínez no emblema portista e que assim se tornou no jogador com mais golos marcados no Estádio do Dragão, superando a marca de 44 golos registada pelo brasileiro Hulk.

Numa noite fria e com 14.609 pessoas a assistirem no Dragão, “os universitários” deram o pontapé de saída num jogo que nos minutos iniciais foi muito disputado a meio campo. A Académica entrou disposta a defender a todo o custo o seu reduto nos primeiros cinco minutos e até foi um atraso mal medido de Marcano para Helton a causar o primeiro sururu no Dragão. E foi precisamente no minuto referenciado que o goleador colombiano aproveitou para fazer estragos: um falhanço da defensiva dos de Coimbra que deixou a bola à mercê de Jackson que disparou sem hipótese de defesa na direção da baliza de Cristiano, que face à qualidade do remate nada podia fazer.

O Porto abriu o activo e, bem pode dizer-se, também o corredor para um futebol mais ofensivo ainda. O golo deixou mais à vontade os de azul e branco que aproveitaram para intensificar e pautar o seu caudal de jogo por um registo mais atacante. A Académica, por seu turno, desconcentrou-se. Aos 10 minutos, Tello, após uma abertura, fica solto na esquerda, rematou em jeito mas o guarda-redes Cristiano estirou-se o suficiente para uma defesa de classe, que redundou num canto favorável aos portistas.

Aos 14 minutos, o repetente Tello, uma vez mais a fazer das suas, em velocidade desfaz-se dos adversários, mas remata para fora após ter perdido o enquadramento com a baliza. A Académica estava nitidamente em período de perda de reação face ao domínio notório da equipa da Invicta. Até aos primeiros 20 minutos só deu Porto. A tradicional frase vox populis “aluga-se meio campo” poderia aplicar-se como uma boa metáfora face à ténue expressão do futebol ofensivo “dos estudantes”. Assistiu-se a um bailado futebolístico do Porto, com um futebol apoiado na mudança de flancos, com a notória mobilidade de Ricardo, Tello e José Ángel, todos eles em bom plano e Rúben Neves a afirmar-se como o pivô cerebral que a partir do miolo do terreno municiava o jogo para as alas mais avançadas.

O melhor que a Académica conseguiu fazer, foi um remate da responsabilidade de Rui Pedro, aos 35 minutos, cujo resultado foi o esférico ir parar à tribo dos Superdragões. Logo em seguida, Jackson foi brindado com um cartão amarelo por simulação de queda na área.

O relógio indicava os 44 minutos quando Ricardo tentou oferecer o golo a um companheiro, depois de rasgar o terreno até à linha lateral, mas ninguém apareceu ao segundo poste para finalizar.

Em cima do tempo para o intervalo, ‘o colombiano endiabrado’ percorreu uma boa parcela do campo e com apenas três toques chegou à grande área, mas desta feita não conseguiu desfeitear Cristiano, acabando o remate por sair muito ao lado.

Na segunda parte, a toada atacante do Porto não esmoreceu e Tello, uma vez mais, recebeu uma bola cruzada na esquerda, perfeita para um remate ao segundo poste, mas não soube dar-lhe a melhor trajetória. Quatro minutos depois o espanhol conclui uma jogada com um remate forte a bola bate num defesa e quase engana Cristiano, que defende para canto.

A Académica tentava libertar-se do espartilho atacante do Porto e numa típica jogada de contra-ataque beneficia de um livre na ala esquerda. Na cobrança da infração, Marinho faz praticamente um cruzamento para a área do Porto, sem que isso se tivesse traduzido num resultado prático.

Logo a seguir, aos 58 minutos, através de uma jogada de ataque dos azuis e brancos chega o momento do jogo: grande golo de Jackson que de primeira intercepta o esférico ao primeiro poste e com o calcanhar introduz a bola na baliza à guarda de Cristiano. Golo sublime do avançado colombiano que assim bateu o recorde de Hulk em matéria de golos marcados no Estádio do Dragão, 45 tentos contra 44 do brasileiro.

Aos 66 minutos Tello chega ligeiramente atrasado a uma bola na cara do guarda-redes dos homens vestidos de negro. E aos 70, após um cruzamento de Quintero, Gonçalo Paciência começa a afinar a pontaria e, através de um remate potente, põe uma vez mais a brilhar o guarda-redes Cristiano, um dos homens da noite no Dragão.

No minuto seguinte dá-se o golo da Académica num lance de fino recorte e de típico contra-ataque: Mbala sai rápido a corresponder a uma bola proveniente da direita e fuzila Helton. Talvez a única jogada com cabeça, tronco e membros em todo o jogo da equipa de Coimbra.

Aos 74 minutos Gonçalo Paciência consegue também o seu momento de fama no jogo ao marcar o primeiro golo com a camisola principal dos Dragões, após ter fintado um defesa na área e rematar com força uma bola que ainda roça num elemento da Académica, sofre um ligeiro desvio e vai alojar-se nas redes de Cristiano.

Praticamente a 10 minutos do tempo regulamentar, Gonçalo Paciência é rasteirado na área da Académica e o árbitro Tiago Martins não hesita na marcação da grande penalidade, que Evandro transforma no quarto golo da equipa da casa.

O jogo praticamente termina com o derradeiro golo portista, sendo de assinalar um grande remate de Tello aos 82 minutos a que Cristiano correspondeu com mais uma boa defesa.

Em resumo, um triunfo justo do Porto e que apesar de volumoso segundo o treinador da Académica só não foi ainda mais dilatado à custa do valor evidenciado pelo guardião Cristiano que a par de Jackson foi o melhor em campo.

Resultado: FC Porto 4 x Académica 1

FC Porto: Helton, Danilo, Marcano (Indi 71′), Jackson Martínez (Gonçalo 62′), Tello, Diego Reys, José Ángel, Evandro, Ricardo, Campaña (Quintero 53′) e Rúben Neves.

Académica: Cristiano, Aníbal Capela, Marinho (Rafa 78′), Jimmy, João Real, Rui Pedro (Mbala 67′), Pedro Nuno, Nuno Piloto, Otori (Ricardo 41′), Hugo Seco Lucas Mineiro.

Cartões amarelos:
FC Porto: Jackson Martinez 40′, Marcano 50′, J. Angel 54′, Danilo 76′.
Académica: J. Real 79′, Rafa 90′

Golos: Jackson Martinez (6′ e 59′), Mbala (72′), Gonçalo (75′), Evandro (80′).

FC Porto: Ataques 38, Livres 3, Cantos 7, Remates à baliza 8, Remates ao lado 6, Faltas cometidas 14, Foras de jogo 3.

Académica: Ataques 16, Livres 2, Cantos 4, Remates à baliza 3, Remates ao lado 3, Faltas cometidas 12, Foras de jogo 1.

Comentários

comentários

Powered by Facebook Comments