“Holocausto foi inventado pelos americanos”, diz conselheiro de Mohamed Morsi

 

Muslim Brotherhood's Mohamed Morsi wins (according to FJP) Egypt's presidential elections
Jonathan Rashad / Foter.com / CC BY

Parece não terem fim os tropeções de Mohamed Morsi, embora neste caso, tenha sido protagonizado por um dos seus conselheiros.

Fathi Shihab-Eddim disse que o Holocausto “ é uma indústria que a América inventou”. Este conselheiro do Presidente da República do Egipto é responsável pela nomeação dos directores de todos os jornais controlados pelo Governo.

Shihab-Eddim fundamentou a sua argumentação, dizendo que “as agências de informação norte-americanas, em colaboração com os seus homólogos dos países aliados da Segunda Guerra Mundial, criaram o Holocausto para destruir a imagem dos seus opositores na Alemanha e para justificar a guerra e a destruição maciça de infra-estruturas militares e civis dos países do Eixo, especialmente para justificar o bombardeamento atómico de Hiroshima e Nagasaki”.

Este conselheiro de Morsi disse ainda que os seis milhões de judeus que desapareceram da Europa foram transportados para os Estados Unidos.

Ouviram-se já algumas vozes dissonantes.  Como a de Efraim Zuroff, director do Centro Simon Wisenthal, em Israel, referindo que a “triste verdade é que estas observações são comuns no mundo árabe e resulta da ignorância do seu povo, por um lado, e da negação do Holocausto patrocinada pelo Governo, por outro.

A declaração surge cerca de três anos depois de Mohamed Morsi ter dito que os judeus são descendentes de “macacos e porcos”.

Declarações como esta, de índole anti-semita, e comportamentos que pretendem negar o Holocausto, têm sido uma das estratégias da Irmandade Muçulmana.

Comentários

comentários

Powered by Facebook Comments