ADDIM vai abrir centro de atendimento para vítimas de violência doméstica

A ADDIM – Associação Democrática de Defesa dos Interesses e da Igualdade das Mulheres vai inaugurar um centro de atendimento de vítimas de violência doméstica, no Porto, no próximo dia 25 de Novembro, pelas 15h00, por ocasião do ‘Dia Internacional pela Eliminação da Violência Contra as Mulheres’ que se assinala neste mesmo dia.

Quando se sabe que cerca de 80 por cento dos casos de violência doméstica são arquivados por falta de provas e que 70 por cento das situações que chegam a julgamento resultam em condenação com pena suspensa, a ADDIM disponibiliza no seu centro de atendimentos cinco gabinetes preparados para prestar orientação em diversas vertentes, como jurídica, social, psicológica e logística.

A presidente da instituição, Carla Mansilha Branco, recorda dados coligidos pelo Observatório de Mulheres Assassinadas da UMAR (União de Mulheres Alternativa e Resposta), que quantifica em 32 o número de homicídios conjugais só no ano em curso. “Muitas mulheres chegam até nós em situações limite em que se impõe a sua imediata retirada de casa, delas e dos filhos”, afirma, lembrando que a rede de acolhimento existente no país está longe de satisfazer cabalmente todas as emergências.

Para essas mulheres, que muitas vezes se encontram em risco de vida, a ADDIM procura soluções que, além de passarem pelo alojamento imediato em casas de acolhimento geograficamente afastadas do lar conjugal, implicam, também, orientação psicológica e profissional. “Muitas vezes, essas mulheres têm que mudar radicalmente de vida, incluindo a nível profissional”, recorda Carla Mansilha Branco.

A actividade da instituição foi afectada, no início do ano, pelo encerramento do centro de acolhimento por falta de condições. “A casa necessitava de obras estruturais, com custos demasiados altos”, recorda Carla Branco que se mostra, no entanto, determinada em conseguir ultrapassar esta lacuna.

Criada a 3 de Setembro de 1999, a ADDIM surgiu da vontade de um grupo de cidadãs que, sensíveis aos obstáculos em denunciar crimes de violência perpetuados contra mulheres e crianças, tomou a iniciativa de fundar uma associação que as defendesse, promovendo a valorização pessoal, profissional e social das suas utentes no combate à exclusão social e à perpetuação da diferença.

O centro de acolhimento da ADDIM vai funcionar na Rua Bento de Jesus Caraça, no Porto, num espaço cedido pela Santa Casa da Misericórdia do Porto.

Comentários

comentários

Powered by Facebook Comments